Apresentação da campanha “As vacinas estão equipados para toda a família”

O Ministério da Saúde trabalha em um acordo de recomendações de vacinas para toda a vida, grupos de riscos de qualquer idade e mais velhos saudáveis, informou a diretora geral de Saúde Pública, Elena Andradas, em um ato institucional, organizado pela MSD, em que foi apresentada a campanha “As vacinas estão equipados para toda a família” e o projeto “Inmuniza”, no âmbito da Semana Mundial de Imunização, impulsionada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que se prolonga até 30 de abril

(De izqda. a drcha.): Pilar Arrizola, chefe do Serviço de Medicina Preventiva do Hospital Universitário 12 de Outubro de Madrid; Bernardo Alonso, Diretor executivo de Acesso e Unidade de Negócio de Vacinas de uso pessoal; a doutora Elena Andradas, Diretora-Geral de Saúde Pública, a Qualidade e a Igualdade do Ministério da Saúde, Serviços Sociais e Igualdade; João Carlos Castillejo, Diretor-Geral da MSD Animal Health; a doutora Beatriz Monteiro Furtado, Subdiretora Geral da Saúde e Higiene Animal e Rastreabilidade do Ministério da Agricultura e Pescas, Alimentação e Meio Ambiente; e José Mateos, Diretor do Departamento Médico da MSD/Foto fornecida pela MSD

Artigos relacionados

Terça-feira 17.04.2018

Segunda-feira 09.04.2018

Quinta-feira 05.04.2018

Elena Andradas ofereceu esta informação na sua intervenção neste acto, o que tem apoiado o trabalho coordenado de todo o sector da saúde em defesa das vacinas e expressou a sua satisfação pelo calendário comum de vacinação infantil, que se desenvolve em Portugal, fruto do esforço conjunto, disse.

Após relatar os trabalhos que são realizados para um acordo de recomendações de vacinas para toda a vida, Andradas salientou: “A vacinação é um ato voluntário que protege a quem se vacina e a quem não é vacina. Vacinar é um ato de solidariedade que protege a todos”.

“Os profissionais de saúde -prosseguiu – são o pilar básico para fornecer informação clara e rigorosa sobre os benefícios das vacinas, também sobre os seus efeitos adversos; vacinar é sempre investir em saúde”.

Elena Andradas acrescentou que as coberturas de vacinação em Portugal “são boas comparadas com países de nosso entorno que recorrem a obrigatoriedade para aumentar a proteção em saúde da criança e os adultos”.

Andradas interveio neste ato, em nome do Ministério da Saúde, mas também têm feito a subdiretora-geral da Saúde e Higiene Animal do Ministério da Agricultura, Beatriz Muñoz; a doutora Pilar você pode ajudar, chefe de Serviço de Medicina Preventiva do hospital universitário 12 de Outubro de Madrid; e por parte da companhia farmacêutica MSD, líder mundial em vacinas, seu diretor médico, José Mateos; o diretor executivo do Acesso e Unidade de Vacinas, Bernardo Alonso; e o diretor-geral de Saúde Animal, João Carlos Oficial.

Beatriz Monteiro salientou a importância de vacinar animais de companhia e animais de estimação, e colocou o acento no reforço da vacina contra os cães para a erradicação da raiva.

A Cada ano, cerca de 60.000 pessoas morrem no mundo de raiva, 95 por cento dos casos na África e na Ásia, e o objetivo é que haja zero mortes humanas por este motivo, em 2030, foi destacada Muñoz, que também foi mencionada a vacina contra a peste suína.

A subdiretora-geral pediu uma reflexão sobre a convivência com animais de estimação e animais de companhia e a sua vacinação a argumenta-se a partir de três ângulos: a proteção dos proprietários, o controle dos níveis de doenças dos animais e a saúde e a qualidade de vida dos animais de estimação.

Projeto “Inmuniza”

Impulsionado também pela MSD foi apresentado neste ato o projeto “Inmuniza”, a cargo da doutora Pilar você pode ajudar, chefe de Serviço de Medicina Preventiva do hospital universitário 12 de Outubro de Madrid.

Este projeto consiste na formação de 75 especialistas para criar 75 consultas de aconselhamento em toda a Espanha com o objetivo de dar informações seguras sobre vacinas e executar uma tarefa de atualização, acompanhamento e avaliação.

“Não se percebe o risco de doenças que têm controlado as vacinas”, disse esta doutora, quem recordou o aumento de doenças como o sarampo, na Itália ou na Roménia.

Ao explicar o projeto “Inmuniza”, você pode ajudar destacou o valor de profissionais de saúde formados para “tirar dúvidas, receios e reticências” sobre as vacinas com uma “linguagem clara, rigor científico e habilidades eficazes de comunicação”.

MSD: compromisso com as vacinas

A campanha “As vacinas estão equipados para toda a família” colaboram 36 entidades médicas e de saúde pública que representam a sociedades médicas, enfermagem, farmácia, veterinária, pacientes e organizações jornalísticas.

O coordenador da apresentação, o doutor José Mateos, tem defendido a necessidade de lançar iniciativas para conscientizar a sociedade sobre a importância das vacinas.

Mateos se fez eco dos três objetivos da OMS em relação às vacinas com a Semana Mundial de Imunização: melhorar as coberturas vacunales; investir em vacinas e programas de vacinação; e avançar em um maior compromisso coletivo e individual envolvendo mais ao pessoal de saúde.

Bernardo Alonso manifestou o compromisso de MSD com a pesquisa, desenvolvimento e produção de vacinas; e apostou por um maior acesso e um melhor abastecimento. “A imunização é um investimento em saúde”, foi destacada.

Alonso afirmou que a MSD é líder em vacinas, já que de cada 10, cinco são da empresa, e foi informado de que a empresa trabalha em 128 estudos em vacinas no mundo com a participação de pesquisadores espanhóis.

Por sua parte, João Carlos Castillejo estabeleceu o triângulo saúde humana, saúde animal-meio ambiente, e foi destacada a necessidade de ter animais de estimação e animais de forma responsável.

Alguns dados

A informação fornecida pela MSD com motivo desta campanha da Semana Mundial de Imunização indicam que na Europa, nos últimos anos, surgiram surtos de doenças que poderiam ser prevenidas com vacinas; e que entre setembro de 2016 e agosto de 2017 foram notificados, dos 28 Estados-membros da UE 799 casos de rubéola e, nesse mesmo período de tempo, foram mais de 18.000 casos de sarampo.

Dos 10,7 milhões de bebês que nascem a cada ano na região europeia da OMS, cerca de 650.000 não receberam a série de três doses de difteria, tétano e tosse convulsa quando completarem um ano de idade.

O relatório revela que o número de pessoas com mais de 65 anos na UE é multiplicado por 2 para os próximos 50 anos e maiores de 80 por 3. E, no entanto, cerca de 20 por cento dessas vidas se desenvolverá com problemas de saúde.

(Não Ratings Yet)
Loading…

Leave a Reply