Reconstroem o rosto de um homem com tumor na boca, língua, garganta e faringe

O hospital Vall d’Hebron de Barcelona, realizado em fevereiro, um transplante de cara com um homem português de 45 anos que tinha um tumor, e que o reconstruíram boca, língua, garganta e faringe; é o quarto transplante de rosto que se faz em Portugal e 35 de todo o mundo, com apenas sete hospitais credenciados para a sua realização em Portugal, França, Turquia, Polônia e EUA

O doutor Joan Pere Barret, chefe do Serviço de Cirurgia Plástica e Queimados do Hospital Vall d’Hebron explica o segundo transplante de rosto no centro de saúde catalão/ EFE/Marta Pérez

Artigos relacionados

Sexta-feira 07.09.2018

Quinta-feira 06.09.2018

Quarta-feira 05.09.2018

O paciente, que fazia vinte anos que sofria de uma malformação arteriovenosa em massa que lhe tinha provocado uma deformação progressiva do rosto, foi operado com sucesso no centro catalão.

Uma equipe multidisciplinar de 45 profissionais, dirigido pelo doutor Joan Pere Barret, chefe do Serviço de Cirurgia Plástica e Queimados, participou da intervenção, de 27 horas de duração.

Junto com a doutora Teresa Pont, chefe do Serviço de Doadores de Vall d’Hebron, e o gerente do hospital, Vicenç Martínez, Barret afirmou hoje, em conferência de imprensa os detalhes deste segundo transplante de face total, que se realiza em Vall d’Hebron, o primeiro foi em 2010.

Naquela ocasião, o paciente, o ator sofria de uma deformação grave no rosto causada por uma lesão que o deixou sem nariz e narinas, e lhe tinha deformado o maxilar superior e inferior, maçãs do rosto, os lábios, a boca e as partes moles da face.

Neste segundo transplante foi cortado ao paciente o tumor que tinha e que lhe deformaba rosto e lhe produzia graves hemorragias e foi reconstruído os dois terços inferiores da mesma, o pescoço, a boca, língua e faringe.

Devido à evolução de sua doença, o homem, que pediu para não ser identificado, tinha perturbações funcionais importantes, como problemas de visão, da fala e o risco de hemorragias graves, que tinham posto em perigo a sua vida em diversas ocasiões.

Sem opções em outros prestigiados centros

O paciente havia sido valorizada anteriormente em outros prestigiados hospitais internacionais, como a Clínica Mayo e Harvard, onde foi considerado inoperável, indicou o dr. Barret.

Em 2012, o homem foi identificado pela equipe de Vall d’Hebron e durante dois anos foi esperado um doador e foram feitas intervenções anteriores, denominadas embolizaciones, para tentar atenuar as graves hemorragias que tinha e mantê-lo estável.

A evolução do paciente após a intervenção foi “completamente satisfatória”, semelhante à de qualquer outro transplante, e agora está fazendo um tratamento de reabilitação com piada (vídeo educativo, para poder voltar a falar com a máxima normalidade possível, embora já se expressa “bem”, disse Barrett.

A doutora Teresa Pont reconheceu que foi “difícil” encontrar um doador devido às características necessárias para o transplante e que, finalmente, a doação veio por parte de uma família que teve em conta os desejos do doador, que sempre foi generoso em vida.

A família autorizou a doação de tecidos, “um ato de generosidade extrema”, foi considerada a doutora.

Atualmente, o Hospital Vall d’Hebron tem outra pessoa com uma doença séria candidata para realizar um transplante de rosto, à espera de um doador, são explicitados os dois especialistas.

(Não Ratings Yet)
Loading…

Leave a Reply