“refugiar-se na comida não é a saída”

A jovem Maria Corbacho se deu conta de que tinha um problema de peso quando o seu sobrinho lhe afeó o tamanho de sua barriga, um “click” que marcou um ponto de viragem na sua vida após o que adelgazó 50 quilos em três anos e que o levou a pensar que “se refugiar na comida não é a saída”; escreveu um livro sobre sua experiência.

Maria Corbacho, sorrindo, com o seu livro/EFE/Cabalar

Artigos relacionados

Sexta-feira 12.12.2014

Sexta-feira 28.11.2014

Quinta-feira 27.11.2014

Maria Corbacho (Zaragoza, 1991) apresentou esta semana, na Corunha seu livro “Faça click e vive saudável!”, de Hércules de Edições, em que narra o momento em que decidiu mudar sua alimentação sem fórmulas milagrosas, mas também seu estilo de vida, começando por reconhecer o problema para aprender a viver de outra maneira.

“A verdadeira mudança não começa o dia em que você mudar a sua maneira de comer, mas o que modificar sua forma de pensar”, afirma em uma entrevista com a Efe.

A jovem subiu há um ano e meio em uma rede social a foto do antes e depois de perder alguns quilos, passando de 102 a 52, e começou a receber clientes de surpresa e perguntas sobre como o havia feito, por isso que embarcou na aventura de escrever um blog, que conta com mais de 2.000.000 de visitantes e de 40.000 seguidores.

O livro, necessidade pessoal

Depois veio o livro, porque foi “uma necessidade pessoal” juntar tudo o que eu sabia, que estruturou-se em três partes muito distintas: a mental, a nutrição básica e as receitas saudáveis”, explica.

De acordo com Maria Corbacho, identificar o problema é o primeiro que deve ocorrer para prosseguir com sucesso esse processo, e, portanto, em seu livro encoraja o leitor a”, que olhe a sua vida, seu passado e seu presente, e que faça um balanço”.

Ela empreendeu o caminho de uma vida saudável quando um dia, depois que seu sobrinho lhe fizesse refletir, se olhou no espelho e percebeu que tinha que mudar: “eu Tenho um problema, tenho que mudar meu corpo, mas também minha mente, me apreciar”, disse.

Não à comida como refúgio

“Onde começa o problema é malcomiendo, as pessoas se refugia na comida e essa não é a saída”, afirma a autora, que ganhou muito peso depois de um fracasso sentimental.

O primeiro conselho que oferece, uma vez que se decide mudar de hábitos é ter paciência, porque “o que faz com que a sua cabeça altere pode acontecer a qualquer momento”.

Em sua opinião, “viver saudável é comer bem, de tudo, beber muita água, dar-lhe caprichos de vez em quando e fazer exercício”.

Comer de tudo, mas sem excessos

Sobre as diretrizes de nutrição básica, Maria Corbacho é a favor de comer de tudo, sem cair em excessos.

“Antes só comia frituras e bebia com gás, mas comecei a tomar frutas e legumes, e acima de tudo para beber água, e comecei a me sentir melhor”, diz convicta e com vontade de começar o próximo ano, os seus estudos de nutrição.

Maria Corbacho, que tinha 20 anos quando decidiu viver de forma saudável e passou de um tamanho 48 a 36, diz que “há muita gente que é muito hipócrita” porque quando pesava cem quilos não queriam sair com ela “e agora iriam até ao fim do mundo”.

Além de comer de forma saudável e fazer exercício, entre as vantagens de ter desbastadas tenha notado que “muita mudança na saúde” porque, diz, não lhe doem os joelhos, nem para trás, nem a cabeça.

“Encontro-Me melhor e ao olhar-me no espelho, eu gosto, e isso é muito importante”, conclui.

(Não Ratings Yet)
Loading…

Leave a Reply